quarta-feira, 12 de maio de 2010

Retrato de uma época


O intervalo entre a saída de Cazuza do Barão Vermelho e o lançamento de seu primeiro disco-solo durou menos de cinco meses. Após três LPs, duas apresentações no Rock in Rio e vários shows pelo Brasil ao lado de Frejat, Maurício, Dé e Guto, era hora de o cantor e compositor seguir o próprio caminho e mostrar ao público suas influências e aspirações para além do rock.

O álbum de estréia, Exagerado, veio com grandes sucessos, como Codinome Beija-Flor e Mal Nenhum, o début “mais autoral” – como ele mesmo dizia – de Cazuza foi encabeçado pelo hit que dava nome ao disco.

A letra de Exagerado foi composta pelo cantor e pelo produtor musical Ezequiel Neves. O desafio musical ficou a cargo de Leoni, guitarrista do Kid Abelha, que recebeu dos dois letristas um grande poema. A única recomendação feita por Cazuza era que a música tivesse um ar meio latino, como um bolero: lancinante e rasgado para combinar com os arroubos de uma letra que brinca com a caricatura em versos como “destinos traçados na maternidade” e “te trago mil rosas roubadas” e, ao mesmo tempo, se afasta do romantismo ingênuo e esbanja auto-ironia e dubiedade ao declarar “adoro um amor inventado”.

Leoni não conseguiu atender o pedido do amigo, pois sua escola era mesmo o rock’n’roll e o aprendizado se dava com os discos dos “professores” gringos, como The Who, e com os colegas de bandas parceiras que faziam a lição de casa e a história do gênero no Brasil da década de 1980.

Na época, o país era tomado por uma onda pós-punk e new wave. A receita misturava um estilo de punk cru com letras politizadas ou declarações de amor explícitas. As principais frentes do rock formaram-se em Brasília, com Legião Urbana e Capital Inicial, e no Rio de Janeiro, com Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Blitz, Kid Abelha e Lulu Santos. Mais isoladas, bandas como Ira!, em São Paulo, e Engenheiros do Hawaii, no Rio Grande do Sul, também eram formadas por garotos que ajudaram a moldar e a disseminar um estilo inspirado no som e na atitude de ídolos internacionais, mas em versão tropicalizada.

E assim nasceu Exagerado com uma melodia simples e marcante, e a harmonia, toda construída com acordes maiores, menores e poucas dissonâncias mais tensas. Cazuza gravou 126 músicas, mas não há outra que represente um auto-retrato tão perfeito como Exagerado.

Um comentário:

  1. Participe da campanha "Música em troca de Fraldas", que visa ajudar às crianças desabrigadas pelas chuvas no RJ:

    Música em troca de Fraldas



    Dia 23/05 tem Show do #Riounido, que visa ajudar às crianças desabrigadas pelas chuvas no RJ:

    #RioUnido

    ResponderExcluir